O mês a mês da gravidez

     Você acabou de descobrir a gravidez e não faz ideia do que vai acontecer com seu corpo, sua mente e com o bebê que vai crescer na sua barriga. Uma situação bem comum, principalmente entre as mamães de primeira viagem. No entanto, estar bem-informada também pode ser um fator determinante na evolução de uma gestação saudável. Assim, com a consultoria do ginecologista e obstetra Dr. Júlio Pôrto, abrimos o Manual da Mamãe trazendo respostas às dúvidas mais comuns sobre o desenvolvimento da gravidez mês a mês:

 

Quais as principais mudanças físicas e psicológicas pelas quais a mamãe passa durante o primeiro mês de gravidez?

A maioria das modificações no início da gestação se deve à enxorrada de hormônios na corrente sanguínea, produzidos pelo bebê que inicia seu desenvolvimento no útero da mamãe. O aparelho digestivo é um dos primeiros a mudar: surgem náuseas (às vezes vômitos) que variam de intensidade para cada mulher; a queimação e a salivação excessiva também aparecem com frequência. Todo o aparelho digestivo funciona mais lentamente, o que colabora para a obstipação intestinal e a má digestão.

O útero cresce muito rápido. Ele dobra de tamanho com oito semanas e triplica em torno de 10 semanas. Este comportamento faz com que ele comprima a bexiga contra o osso púbis causando uma cólica que, às vezes, incomoda. As roupas ficam apertadas muito rapidamente. Isso acontece pela retenção de líquidos e gases na região abdominal, sendo comum uma flatulência excessiva.

A bexiga comprimida pelo útero que cresce rápido faz com que a gestante vá mais vezes ao banheiro, principalmente no período noturno, sem, contudo, significar infecção urinária. A vagina fica mais úmida, dando a impressão de corrimento. Porém, a secreção clara, sem odor ou coceira, é normal na gestação.

Os mesmos hormônios que causam modificações físicas causam também modificações psicológicas. Assim, são comuns a instabilidade emocional (choro fácil, gargalhadas sem motivo aparente etc.), o medo, a insegurança e a incerteza com relação ao parto.

 

No segundo mês de gestação, como é o aspecto do embrião? Já é possível ouvir o coração?

No segundo mês de gestação, o bebê tem em média entre um e dois centímetros. Pela ultrassonografia não conseguimos diferenciar os braços e pernas, mas vemos e escutamos os batimentos cardíacos que oscilam entre 120 e 180 batimentos por minuto (o dobro da frequência do adulto).

 

Enjoos, desconfortos, prisão de ventre e gases permanecem até o terceiro mês ou podem se prolongar? Como minimizar o mal-estar nesse período?

Esses sintomas ocorrem em função da grande quantidade de hormônios circulando na corrente sanguínea materna. Habitualmente há uma diminuição da carga hormonal no terceiro mês. Por isso, as mães relatam uma melhora nos enjoos e gases abdominais. Para minimizar o desconforto da obstipação intestinal é fundamental aumentar a ingestão de fibras, principalmente as provenientes das frutas, como mamão, ameixa e laranja. Os gases são minimizados com medicações antiflatulência, liberados para uso durante toda a gestação.

 

A instabilidade emocional ocorre durante toda a gravidez? Quais as características disso ao longo da gestação?

As alterações emocionais acompanham a grávida durante os nove meses. A proximidade do parto pode aumentar a ansiedade por ver o bebê e o medo com relação ao parto, principalmente para as mães de primeira viagem.

 

Quando a mamãe já pode descobrir o sexo do bebê? 

O sexo do bebê pode ser identificado por duas maneiras: a clássica, através da ultrassonografia, por volta da 13ª/14ª semanas e, recentemente, por meio de um exame de sangue chamado de sexagem fetal, realizado a partir da oitava semana de gestação. É um teste que chegou no mercado há pouco tempo e que tem uma margem de erro próxima do zero.

No quarto mês, as mudanças físicas na mamãe já se tornam mais perceptíveis. Descreva as mudanças com as quais a gestante terá de lidar. 

A partir do quarto mês de gestação, o corpo sofre modificações mais visíveis. O abdome cresce e aparece. As roupas não servem mais, os sapatos apertam e o soutien antigo tem de ser trocado porque os seios aumentam. O centro de gravidade muda e a gestante, para se equilibrar melhor, afasta os pés, dando origem à chamada marcha anserina, ou “andar de pato”. A coluna é tracionada para a frente, sendo que os músculos e ligamentos são repuxados, dando origem à famosa dor lombar. As pernas tendem a inchar e podem surgir varizes, pois a circulação fica mais lenta em função do peso do útero sobre as artérias e veias. As estrias podem surgir no abdome e mamas, sendo necessária a hidratação intensiva da pele.

 

Como está o feto neste período? 

No quarto mês o bebê tem peso médio de 200/300 gramas. Já tem cabeça, tronco e membros bem-definidos e os movimentos começam a ser percebidos pela mãe. Praticamente todos os órgãos estão formados. Agora é crescer e ganhar peso.

 

É verdade que a partir do quinto mês o bebê cresce mais rápido? Por quê?

O bebê demora cinco meses para ganhar 500 gramas e nos outros quatro meses ganha em torno de três quilos. Ou seja, o bebê cresce rápido na primeira metade da gestação e ganha peso na segunda metade.

 

Quando a gestante começa a sentir o bebê se mexer? Por que isso acontece?

O bebê mexe desde o segundo mês e isso é visto na ultrassonografia. Mas a gestante sente esses movimentos a partir do quarto mês. Isso ocorre porque no início ele é muito pequeno, pesa pouco e o líquido amniótico amortece os movimentos. A partir do quarto mês, ele tem maior força muscular e a mãe percebe os movimentos como tremores no abdomên.

 

E o inchaço que tanto incomoda começa em que fase da gestação? Por que ele é frequente nesse período? Pode indicar que algo vai errado?

O inchaço reflete uma dificuldade de circulação causada pelo útero comprimindo a veia cava inferior. Geralmente aparece por volta do sétimo mês, quando o útero já está grande. Mas as grávidas que têm tendência a reter líquido podem inchar mais precocemente. O inchaço só preocupa se acompanhado de pressão alta.

 

O sétimo mês já é o momento de pensar no tipo de parto? Quais orientações a gestante deve receber do seu médico neste período?

A gestante já deve pensar e discutir o tipo do parto desde o início da gravidez. Porém a maioria se preocupa nessa fase porque já está na segunda metade da gravidez e a data provável do parto está mais próxima do que a data da última menstruação. Grande parte das dúvidas já foi tirada e o risco de abortamento já passou. Assim, a preocupação, a partir de agora, gira em torno do parto. O médico deve orientar sobre os riscos e benefícios de cada tipo para que a mamãe e o papai decidam.

Neste período da gestação, pode ocorrer de o bebê nascer prematuro. Que prejuízos a criança pode ter? O que falta se desenvolver?

10% das gestações terminam com um bebê prematuro. Isso é fato. Hoje há como monitorizar e calcular o risco de o bebê nascer prematuro através da medida do colo do útero pela ultrassonografia. Quanto mais prematuro for o bebê, maiores as chances de complicações. Isso significa dizer que o conceito leigo de que bebês de sete meses evoluem melhor que bebês de oito meses é errado. A melhor incubadora que existe é o útero da mãe. Os principais órgãos que sofrem com o nascimento antecipado são o cérebro e o pulmão. Consequentemente, as complicações giram em torno de sequelas neurológicas e respiratórias.

 

É normal que haja contrações já no oitavo mês de gravidez? Como saber se está tudo bem e o bebê não vai nascer antes da hora?

A partir do sétimo mês e com mais frequência a partir do oitavo surgem contrações uterinas que não são de parto. São endurecimentos que não causam dor e que nada mais são do que massagens do útero se preparando para o parto e são chamadas de Braxton-hicks. Essas contrações são saudáveis desde que não venham acompanhadas de sangramento ou perda de líquido amniótico. Se houver a suspeita de que elas são mais intensas e mais frequentes que o normal, seu obstetra vai solicitar uma ultrassonografia para medir o colo uterino. Se este estiver muito curto, atitudes devem ser tomadas para evitar a prematuridade.

 

Neste momento, na barriga da mamãe, o bebê já está se preparando para nascer. O que ocorre com ele?

No oitavo mês o bebê está grande (tem cerca de 40 a 45cm) e pesa em torno de 2,5 kg. Movimenta-se muito e geralmente já está com a cabeça para baixo, posicionando-se para o parto. Mas atenção: apesar de ter um peso bom, seu pulmão ainda está imaturo, e o nascimento nesta fase pode acarretar uma transferência para a UTI neonatal. Bebê grande não quer dizer bebê maduro!

 

A hora do parto se aproxima. No nono mês, como é a vida da mamãe? O desconforto e ansiedade são grandes?

No nono mês a barriga está muito grande. Geralmente a coluna incomoda, a bexiga exprimida leva a gestante a se levantar algumas vezes a noite para ir ao banheiro, o estômago está elevado e relaxado e pode originar uma queimação por refluxo, e os pés têm um inchaço que por vezes incomoda. A ansiedade por ver o rosto do filho que cresce em seu ventre aumenta muito. A mamãe deve lembrar que tudo tem sua hora e que o bebê precisa de tempo certo para amadurecer. Controle sua vontade de querer adiantar o parto. Deixe o bebê anunciar sua vinda!

 

E o bebê neste momento, como aguarda o nascimento? 

No último mês, o bebê ganha em torno de 200/250 gramas por semana. No final pode haver uma diminuição da movimentação, o que se deve à falta de espaço dentro do abdomêm da mãe. Geralmente ele se movimenta mais após refeições, quando você repousa.

 


Vamos Compartilhar ?


Comentários